Estudantes do 8º ano participam do Temperos do Mundo

16 de julho de 2021

O que é possível aprender ao cozinhar? No projeto Temperos do Mundo, os estudantes do 8º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais colocam em prática aprendizados de Ciências, Matemática, História, Geografia, Artes Visuais, Educação Física, Línguas Portuguesa, Inglesa e Alemã, Produção Textual e Filosofia. 

O desafio é montar um prato da gastronomia de um determinado país e que seja adequado ao consumo de pessoas com intolerâncias, como ao glúten ou à lactose, doenças, como diabetes e hipertensão, e restrições, como vegetarianismo ou veganismo – o país e o perfil são definidos por sorteio. 

Além de criar o prato, os estudantes irão pesquisar sobre a tradição culinária e local (História), calculam o valor energético e a tabela nutricional da receita (Matemática), produzem um álbum de receitas virtual (Artes), escrevem as receitas seguindo um padrão lógico e textual (Língua Portuguesa, Produção Textual e Filosofia), estudam dados populacionais dos países e traçam um plano de comercialização da receita (Geografia), estimam o consumo calórico do prato através de exercícios físicos (Educação Física), gravam vídeos das receitas em Inglês e Alemão, além de, claro, adaptarem o prato à doença, intolerância ou restrição sorteada (Ciências).

E, para motivar os estudantes na elaboração de suas receitas e de todas as etapas do projeto, entre os dias 15 e 16 de julho, professores e convidados colocaram as mãos-na-massa e prepararam diferentes pratos em transmissões ao vivo para os estudantes.

Na quinta-feira, as professoras Carla Bortolozzo e Sabrina Pacheco prepararam um Gajar Ka Halwa, um doce indiano, adaptado para intolerantes à lactose, e os professores Fábio Jardim, Luana Zanon e Priscila Ligoski fizeram um Fainá, prato típico Uruguaio, com molho chimichurri, adaptado a pessoas veganas e intolerantes ao glúten. 

Já na sexta-feira, a convidada Clara Turano preparou, diretamente de Iowa (EUA), um prato típico americano: Peanut Butter Blossom Cookies – toda a transmissão foi em Inglês. Já as professoras Laura Wurzius e Luciane Genehr fizeram Tassen Kuchen (bolo de caneca) e Apfelschorle (refrigerante de maçã feito de água com gás e suco de maça) e a professora Greice Quequi preparou Waffeln (waffles) – a transmissão foi em Alemão e Português.

As próximas etapas do projeto, que envolvem as pesquisas, a preparação dos pratos pelos estudantes, bem como a produção dos vídeos e álbum de receitas, acontecerão após o recesso escolar. 

Identidade visual

Este ano, o projeto ganhou uma nova identidade visual, criada pelos estudantes Julia K. e João Pedro dos S., do 8º ano F. Antes, essa identidade passou por uma votação interna, que escolheu os melhores logos de cada turma. Os dois finalistas foram para uma votação da comunidade escolar, nos stories do Instagram do Colégio Farroupilha.