Colégio recebe a visita de instituições parceiras de estudo internacional

13 de junho de 2022

Na sexta-feira, 10 de junho, a diretora pedagógica, Marícia Ferri, recebeu a visita de representantes das instituições parceiras do Brasil do estudo Innovative Learning Environments and Student Experience Scoping Studyé (ILE+SE), desenvolvido pela Universidade de Melbourne, na Austrália, e do qual o Farroupilha faz parte.

O grupo, formado por Lisiane Quadrado Closs, professora da Escola de Administração da UFRGS, Sandra Mariano, professora titular da Universidade Federal Fluminense (UFF), Enio Brites, arquiteto, e Claudia do Canto, psicóloga, conheceram alguns espaços do Colégio.  A equipe do Brasil conta, ainda, com representantes da indústria – Metadil (móveis) e Athié Wohnrath (arquitetura e construção).

“A visita ao Colégio Farroupilha nos propiciou uma rica troca de conhecimentos, experiências, ideias e inquietações que iremos compartilhar com as demais equipes do projeto. Isso nos permite avançar, em escala global, na reflexão sobre a concepção, utilização e investigação de ambientes de aprendizagem inovadores. Fiquei encantada com a riqueza de experiências de aprendizagem que a escola está proporcionando a seus estudantes em seus diversos espaços. Destacaria os laboratórios e o Espaço Maker, com tecnologias de ponta, que possibilitam a integração de conteúdos teóricos à prática, fomentando a criatividade e a inovação; os ambientes multiusos e com mobiliários flexíveis; as suas áreas para esportes, artes e divulgação das produções dos estudantes.  Importante ressaltar ainda o ‘brilho nos olhos’ com que direção e equipe conduzem seus múltiplos projetos pedagógicos visando desenvolver novas competências para o contexto contemporâneo, ao mesmo tempo em que preservam e valorizam a história da escola, de cientistas, pensadores e artistas”, destacou Lisiane.

A iniciativa consiste em um estudo exploratório sobre projetos arquitetônicos e pedagógicos de espaços de aprendizagem inovadores. O estudo tem como objetivo melhorar os ambientes de aprendizagem na educação, através da troca de conhecimentos e experiências junto a integrantes dos países envolvidos, interligando a pesquisa e a prática. Formado por pesquisadores e instituições de todo o mundo – são mais de 70 participantes de 17 países – o projeto avalia a eficácia destes espaços e auxilia os professores a utilizá-los para um impacto positivo no ensino dos estudantes. A ideia, futuramente, é coletar dados em torno das experiências reais dos alunos nos locais.

“Fiquei muito bem impressionada com a competência da equipe do Colégio Farroupilha em dar vida a um projeto pedagógico que une mente e mãos. Esta é a base da formação de um ser humano integral, em que as capacidades cognitivas e socioemocionais são desenvolvidas. A infraestrutura do Colégio é de primeira linha, com espaços e equipamentos de classe mundial. Destaco, também, a preocupação com as questões sociais e ambientais, simbolizadas na preservação de suas figueiras centenárias. Os estudantes são estimulados a buscar soluções criativas para problemas, sem descuidar do seu papel como cidadãos globais e, por isso, com capacidade de se comunicar em outras línguas. A atenção à cultura está manifestada no lindo grafismo do Quintana, seu mestre maior. Visão, liderança e muito trabalho duro ajudam a explicar a projeção nacional do Colégio Farroupilha”, completou Sandra.