Estudantes da GrowCube apresentam os projetos de 2021

15 de julho de 2021

Na tarde de quarta-feira, 14 de julho, os estudantes que fazem parte da GrowCube, a incubadora de negócios do Colégio Farroupilha, defenderam seus projetos para uma banca composta por Christian Voelcker, ex-aluno do Colégio Farroupilha, vice-presidente do conselho de administração da ABE 1858, engenheiro e investidor de startups, Thiago Ribeiro, head de desenvolvimento de negócios e relacionamento da 4all – hub de tecnologia que desenvolve e investe em startups com foco em transformação digital, e Ricardo Sondermann, administrador, mestre em comunicação e investidor de startups.

A coordenadora do Ensino Fundamental – Anos Finais, Rafaella Perrone, abriu as atividades falando sobre a GrowCube:

“Chegamos ao quinto ano consecutivo de trabalho com a GrowCube e podemos perceber o crescimento desse projeto que tanto nos orgulha. Essa iniciativa está totalmente relacionada com os valores do Colégio Farroupilha ao se voltar para o empreendedorismo e a inovação. É, também, uma ótima oportunidade para os estudantes, pois na GrowCube é possível experimentar e se preparar para o futuro”.

Foram 10 projetos de negócios apresentados pelos estudantes, sendo oito da etapa de pré-incubação e dois da incubação. Conheça, abaixo, um pouco sobre cada projeto:

Lucket – Os estudantes João Pedro H., Valenttina A., Maria Luiza G. e Manuela C. apresentaram a proposta de uma capinha para celular que ajuda a proteger a privacidade do usuário ao possibilitar cobrir as câmeras frontal e traseira e o microfone do aparelho, quando desejado.

Casabor – A proposta dos estudantes Ramiro S., Teodoro T., Maria Eduarda M., Rafael T., Priscila G. e Henrique C. é criar um clube de assinaturas que propõe levar a experiência de um restaurante para a casa do cliente. 

Silverboard – O estudante João Antônio N. propôs a criação de um site para reunir fãs de jogos de tabuleiro, com informações sobre os jogos, espaço para interação e comercialização de produtos.

Plat(form) – A proposta das estudantes Luiza Z., Laura H., Estela F., e Isabella G. é a criação de uma  plataforma (site e aplicativo) para ajudar empresas de pequeno porte a entrar no mercado digital, anunciando seus produtos.

Daler Health – O projeto dos estudantes Antônia S., Laura W., Rafael M., Eduardo R. e Maria Eduarda consiste em um aplicativo de entrega de comida saudável .

Veggie Hall – O grupo composto por Éric G., Alice L., Nina V. e Luiz Gustavo A. apresentou a proposta de um aplicativo de entrega de comida para pessoas que não consomem (total ou parcialmente) ou querem reduzir o consumo de alimentos de origem animal. No app, também haverá espaço para compartilhamento de receitas.

Ecochoice – De olho no público que não consome produtos de origem animal, a estudante Laura S. apresentou a proposta de um aplicativo para comercialização desse tipo de produto. 

Health Corner – Os estudantes Joana F., Oscar T., Pedro R., Luisa B.,  Carolina S. Anita B. e Alice B. propuseram um aplicativo com informações hospitalares, que busca trazer segurança e conforto aos clientes nos momentos em que precisam usar serviços médicos.

Lixeia – Desenvolvida pelos estudantes Daniel K., Artur P., Eduardo S. e Henrique S., a Lixeia está na fase de incubação e já tem protótipos. Ela é uma lixeira com um dispositivo eletrônico que sinaliza quando a capacidade de receber resíduos está chegando ao limite.

Brickit – O estudante Arthur Maule, também em fase de incubação, apresentou os tijolos ecológicos que utilizam garrafas pet em sua constituição. O projeto já tem protótipos e está pronto para ser usado em uma construção piloto.

Após cada apresentação, os membros da banca faziam comentários e tiravam suas dúvidas e, ao final de todas elas, elogiaram as ideias, a qualidade das apresentações e a consistência das soluções propostas, destacando que todas estão alinhadas com situações reais vivenciadas pelas pessoas no cotidiano.

Todos os projetos que estavam na fase de pré-incubação foram aprovados para serem incubados no próximo semestre. Já os dois projetos da fase de incubação passaram para a pós-incubação e receberão orientação para serem implementados.

A GrowCube é acompanhada pelos professores Rafael Louzada, de Matemática, e Roger Pereira, de Cultura de Inovação e responsável pelo Laboratório Maker, e conta com a parceria de Nelmar Vaccari e Rodrigo Valente.

GrowCube no Colégio Farroupilha

Mais de cem estudantes já participaram da GrowCube desde 2017, ano em que foi criado o projeto.  A GrowCube tem como objetivo despertar o pensamento disruptivo nos estudantes, incentivando a solução de problemas cotidianos a partir do empreendedorismo, seja ele social, corporativo ou individual. Por meio da GrowCube, o Colégio Farroupilha e seus parceiros oferecem aos estudantes preparação em Marketing, Finanças, Operações, Jurídica e Negócios Digitais. A proposta, que adota o modelo de uma incubadora de negócios, abrange desde o desenvolvimento das ideias até a transformação destas em empresas, e tem como diferencial o desenvolvimento do potencial empreendedor ainda na educação básica.

As atividades da GrowCube são desenvolvidas em duas etapas: a pré-incubação e a incubação.

Pré-incubação: o processo de pré-incubação terá como objetivo encorajar os estudantes que realmente queiram entrar na incubadora a participar da seleção de times. Nessa fase, os times receberão uma preparação para transformar suas ideias em negócios e as submeterão a uma banca, que avaliará se os projetos estão prontos para a fase de incubação. É a fase de capacitação e desenvolvimento de ideias.

Incubação: já o processo de incubação contará com mentores especializados nas necessidades dos times que desejam empreender. Estes mentores orientarão os estudantes no avanço em direção à implementação dos projetos, mesmo que este não seja o objetivo final. É a fase de desenvolvimento e qualificação dos projetos aprovados na etapa anterior.