Grupo do Ensino Médio está na final da Olimpíada de História

11 de novembro de 2020

O grupo das estudantes da 3ª série C do Ensino Médio Giovanna P., Heloisa S. e Julia C., orientado pelo professor de História André Castilho, está classificado para a final da 12ª Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB). Das 17,4 mil equipes inscritas, 421 foram classificadas, sendo seis do Rio Grande do Sul.

Em 2020, a competição, organizada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), aconteceu de forma on-line. Para chegar na final, o grupo passou por uma fase de preparação, chamada de fase zero, e outras seis fases on-line, repletas de questões e tarefas a serem concluídas. A fase final consiste na avaliação da tarefa da quinta etapa. O anúncio das equipes vencedoras será feito no dia 22 de novembro.

“Foi uma experiência incrível participar como orientador da Olimpíada de História. Como a proposta da prova é muito mais a pesquisa do que a simples memorização de eventos ou datas, todos os participantes – inclusive eu – aprendemos muito durante o processo. Além disso, os estudantes vivenciam brevemente o ofício do historiador ao analisar um documento e seu contexto de produção”, comentou o professor André.

Ao falar sobre a experiência, as estudantes finalistas destacaram os aprendizados, os momentos de interação e a felicidade pela classificação. Confira os depoimentos delas.

“Eu nunca tinha participado da ONHB antes e sempre ouvia que eu tinha que me inscrever porque era muito legal e divertido. Resolvi dar uma chance e me inscrevi. Já sabia que ia gostar e me divertir antes de resolver a primeira questão da fase zero. Mesmo assim, minhas expectativas foram superadas. Aprendi mais e mais a cada questão. Cada tarefa concluída fazia com que a sede de avançar aumentasse. O friozinho na barriga que dava antes de receber o resultado virou quase um evento da semana. É incrível o quanto foi possível expandir não só o conhecimento mas a visão de mundo ao longo dessa olimpíada. Todo o apoio e companheirismo que tivemos fez dessa jornada ainda mais especial e marcante. É muito gratificante ter chegado até aqui e com certeza vou levar essa experiência para o resto da vida”. (Júlia).

“Já havia participado da ONHB em duas edições anteriores e sempre achei a proposta da Olimpíada super interativa e interessante. Você não precisa ser um gênio da história, saber sobre tudo e ter todo aquele conhecimento prévio de história brasileira. Na realidade, conforme vai passando a olimpíada, tu vais aprendendo cada vez mais através de imagens, documentos, obras literárias. E por se tratar de uma olimpíada onde as primeiras fases são baseadas em pesquisa, deliberação e, querendo ou não, “achismo” (por dentre quatro alternativas termos apenas uma incorreta e assim temos que escolher a “mais” correta, a que mais se encaixa), aprendemos a usar muito o raciocínio e a reflexão. Por conta de tudo isso, a experiência de participar da olimpíada me trouxe um olhar diferente e mais aprofundado para o mundo em que vivemos”. (Giovanna)

“Participei da ONHB pela primeira vez em 2019 e de cara me encantei. Era tanto conhecimento e informação a cada etapa que não pensei duas vezes em participar novamente. Ao longo das semanas, passamos por incontáveis dúvidas a respeito de qual alternativa marcar e se ela nos levaria para a próxima fase mas, além de tudo isso, demos muitas risadas nas reuniões e refletimos sobre temas que, antes, pareciam simples e rasos mas ao pesquisar a fundo se mostraram complexos e enriquecedores. Saio, hoje, não só com uma experiência mas também com um outro olhar a respeito de questões do cotidiano”. (Heloisa).