Ex-aluno é aprovado no programa residencial da UWC Brasil

23 de junho de 2022

Henrique Vieira Soares, formado em 2021 no Colégio Farroupilha, foi um dos 13 brasileiros aprovados no programa residencial da UWC Brasil. A UWC (United World Colleges) é um movimento global que faz da educação uma força para unir pessoas, nações e culturas pela paz e um futuro sustentável.

A UWC conta, atualmente, com uma rede de colégios presente em 18 países. Henrique foi selecionado para a UWC de Singapura e se prepara para o embarque no mês de agosto. Durante dois anos, o ex-aluno viverá no campus do colégio e participará do programa acadêmico do International Baccalaureate (Bacharelado Internacional), equivalente à conclusão do Ensino Médio.

Ele escolherá uma disciplina de cada uma das seis áreas do conhecimento: Estudos em Línguas e Literatura (Português, Inglês, Espanhol, Francês, Italiano), Aquisição de Línguas (Inglês, Espanhol, Francês, Italiano), Indivíduos e Sociedades (História, Economia, Psicologia, Geografia, Filosofia, Antropologia Cultural e Social, Política Global), Ciências (Física, Química, Biologia, Ciência da Computação), Matemática e Artes (Artes Visuais, Teatro, Filme, Música, Dança). Em paralelo às seis disciplinas, ele deve comprimir três exigências: a escrita de uma monografia, a realização da disciplina “Teoria do Conhecimento” e a participação nas atividades extraclasses (CAS – Criatividade, Atividade e Serviço).

“Eu imagino que os próximos dois anos serão muito enriquecedores para a minha vida, pois morarei e conviverei diariamente com pessoas de mais de 80 países, tendo uma oportunidade única de conhecer suas culturas e compartilhar experiências. Sei também que serei extremamente desafiado academicamente, já que cursarei o International Baccalaureate (IB), um programa pré-universitário muito rigoroso. Além disso, eu espero desenvolver ainda mais a minha autonomia e independência, uma vez que estarei a quase 16 mil km de casa em um lugar desconhecido e totalmente novo, tendo a chance de explorar Singapura e outros países ao seu redor. Por fim, eu espero conseguir representar com êxito o Brasil e poder levar para fora a nossa essência e as nossas diferentes realidades”, afirmou.

Experiência com monitoria escolar

Em março de 2020, Henrique conheceu e começou a participar do “Geração pela Geração”, projeto de cunho social e sem fins lucrativos que foi fundado em agosto de 2019 com o objetivo de oferecer educação de qualidade a jovens talentos de escolas públicas de todo o Brasil.

“Tendo sido bolsista no Colégio Farroupilha, eu percebi como uma educação de qualidade transforma vidas e, portanto, decidi contribuir para que mais estudantes desprovidos de uma boa educação pudessem ter melhores oportunidades e vislumbrar um futuro próspero – assim como eu tive anos atrás”, explicou.

Primeiro, Henrique atuou como monitor de Matemática: ele ministrava três aulas semanais e preparava materiais de estudos para os alunos. No segundo semestre, ele foi convidado pela Diretoria do projeto para assumir o cargo de Gestor do Time Didático, cuja atribuição foi auxiliar estudantes, professores e coordenadores em demandas internas. O projeto conta com a participação de estudantes do Brasil Inteiro. Em dois anos e meio, já são mais de 100 voluntários trabalhando nas aulas e em outras áreas, e mais de 70 alunos assistidos.

“Participar do Geração pela Geração foi um divisor de águas na minha vida e me proporcionou conviver com um Brasil diverso e com estudantes excepcionais que, apesar das inúmeras adversidades do âmbito educacional em nosso país, não perdem o brilho nos olhos para questionar, aprender e crescer. Essa experiência me deu muita esperança em relação ao futuro, pois agora sei que temos diversas pessoas espalhadas pelo Brasil tentando fazer da educação uma arma poderosa, e participar da construção desse pilar não tem preço”, afirmou.

No Farroupilha, ele conquistou Menções Honrosas no 9º ano e na 3ª série do Ensino Médio.

“Da escola, levo o aprendizado de que uma educação de qualidade, aliada ao desenvolvimento do senso crítico e de valores humanos, como a empatia, pode ser um combustível intenso para alguém com vontade de ser a diferença. Eu me senti impactado dessa maneira e busco levar tais valores para a minha vida, assim como tentar passá-los adiante”, disse.