Ex-aluna conquista bolsa integral no mestrado da Harvard University

16 de setembro de 2021

Renata Koch Alvarenga, formada em 2013 no Farroupilha, foi aprovada no mestrado de Políticas Públicas, com bolsa integral, em três universidades: Harvard University, Columbia University e Sciences Po Paris. A ex-aluna optou por estudar na Harvard Kennedy School e iniciou as aulas neste mês de setembro. Renata é formada em Relações Internacionais pela Unisinos, mas cursou dois anos da graduação na Seton Hall University, em New Jersey. “Eu acabei decidindo por Harvard porque é a melhor faculdade do mundo, e achei que sairia mais da minha zona de conforto. As aulas são realmente bem desafiadoras, temos que falar bastante em público e aprender a nos posicionarmos”, explicou.

Além das três universidades em que conseguiu bolsa de estudos, Renata candidatou-se para mais duas: Stanford University e Oxford University. O mestrado em Harvard terá duração de dois anos. Das 270 pessoas que estudam com a ex-aluna, somente ela e outra são brasileiras. Para estudar nos Estados Unidos, a ex-aluna do Colégio recebeu uma bolsa de pesquisa do Centro Belfer de Ciências e Relações Internacionais, a bolsa Claudio Haddad Family Fellowship e uma bolsa externa do Instituto Humanize, do Rio de Janeiro. “A adaptação está sendo legal, é muito desafiador. Já conheci muitos estudantes e professores. O grande desafio deste início é gerenciar o meu tempo, para trocar experiências e me preparar para as aulas”, contou.

Preparação durante um ano

Renata decidiu que gostaria de cursar um mestrado fora do Brasil no início de 2020. O processo de candidatura envolveu a realização de uma prova, chamada Graduate Record Examination (GRE), que consiste em questões de matemática e inglês e o envio de redações. “Basicamente esta é a principal parte desse processo. Para a universidade de Harvard eles pediram cinco redações. Eles pedem que deixe bem claro qual é o nosso plano de carreira a longo prazo. É legal mencionar os professores que queremos trabalhar junto, as aulas que desejamos participar e as atividades extracurriculares”, afirmou. 

Além disso, ela enviou três cartões de recomendação para as universidades: da Seton Hall University, do Consulado Britânico do Rio de Janeiro, em que ela trabalhou por dois anos, e da Empoderaclima, plataforma educacional fundada pela ex-aluna para aumentar a conscientização sobre os impactos da mudança climática e a necessidade de liderança feminina na ação climática. “Todo o processo de candidatura exige um autoconhecimento bem importante. Eu fiz teste de personalidade para poder entender quem eu sou e onde que eu poderia chegar”, frisou.

Dicas da ex-aluna

Para quem deseja se candidatar para o mestrado em outro país, o mais importante, segundo Renata, é entender em qual área se deseja trabalhar e justificar bem a escolha da faculdade. “Eu já possuía inglês fluente e já sabia como funcionava o processo de aplicação para o mestrado, mas a minha recomendação é que a pessoa se prepare durante dois anos, para buscar com calma a escola de interesse e aperfeiçoar o currículo”.

Papel de liderança

Na época em que foi estudante do Colégio, Renata integrou a gestão de 2012-2013 do Grêmio Estudantil Farroupilha (GEF). Já em 2015, já como aluna de Relações Internacionais, ela participou da COP 21 – a Conferência do Clima organizada pela Organização das Nações Unidas – como integrante da delegação da Engajamundo, uma organização não governamental, sem fins lucrativos e apartidária, criada por um grupo de jovens preocupados em tornar a participação da juventude brasileira mais efetiva e inclusiva em âmbito internacional. 

Em 2020, ela foi a representante brasileira no G(irls)20 Summit, única plataforma para jovens mulheres dialogarem com os líderes do G20, grupo das 20 maiores economias do mundo. Já em março deste ano, a ex-aluna discursou na abertura da 65ª Sessão da Comissão sobre a Situação das Mulheres (Comission on the Status of Women – CSW), da ONU. Ela foi a primeira jovem brasileira a falar no evento.