PROTOCOLO PARA CASOS DE SUSPEITA OU CONFIRMAÇÃO DE CORONAVÍRUS


Desde o início da pandemia, o Colégio Farroupilha tem tomado medidas para preservar a saúde e a segurança de toda a comunidade escolar, sempre respaldadas pelos protocolos emitidos pelos Poderes Executivos Municipal e Estadual e pela avaliação minuciosa do cenário pandêmico, entre as quais estão a composição do Comitê de Enfrentamento e a contratação do serviço de Consultoria do Hospital Moinhos de Vento.

Diante do cenário apresentado em maio de 2022, o Guia do Programa de Prevenção e Combate ao Coronavírus foi simplificado e o protocolo adotado pelo Colégio Farroupilha pode ser consultado abaixo.

Os estudantes e educadores que apresentarem um ou mais dos sintomas abaixo devem realizar uma consulta médica e, caso sejam considerados suspeitos, devem afastar-se das atividades presenciais.

  • - Febre ou sensação de febre; 
  • - Cansaço; 
  • - Dor de garganta; 
  • - Tosse; 
  • - Cefaleia; 
  • - Coriza; 
  • - Diarreia; 
  • - Alteração no olfato ou no paladar; 
  • - Adinamia (fraqueza muscular); 
  • - Mialgia (dor muscular); 
  • - Obstrução nasal

Além do afastamento, é importante que seja feito o isolamento preventivo dos seus contatos domiciliares e o teste para coronavírus (RT-LAMP, RT-PCR ou antígeno). Os resultados  deverão ser enviados para o e-mail examescovid@colegiofarroupilha.com.br.

- Diagnóstico negativo: Cumprimento das orientações médicas. Quando não realizado exame, deverá apresentar atestado médico de retorno. Recomenda-se retorno assintomático ou com melhora dos sintomas e sem uso de antitérmico nas 24h que antecedem o retorno. 

- Diagnóstico positivo: 

Crianças da Educação Infantil ao 4º ano dos Anos Iniciais: afastamento por 10 dias, a contar do início dos sintomas ou data da coleta para os assintomáticos.

Estudantes do 5º ano dos Anos Iniciais à 3ª série do Ensino Médio e Educadores: afastamento por 7 dias, a contar do início dos sintomas ou data da coleta para os assintomáticos. O uso de máscaras de proteção deve ser mantido até o 10º dia.

Em ambos os casos, o retorno deve acontecer mediante ausência de febre e uso de antitérmico nas 24h anteriores. 

O contato domiciliar é caracterizado quando há uma pessoa com diagnóstico positivo de COVID-19 que divide a mesma residência com outras pessoas. Nesses casos, o contactante, se estiver sem sintomas, deve seguir as orientações abaixo:

Não vacinados: afastar-se das atividades presenciais por 10 dias, a contar do início dos sintomas do último caso domiciliar. Esse período pode ser reduzido para 7 dias com o envio de teste com resultado negativo para coronavírus e da carteira de vacinação com as duas doses para o Ambulatório Escolar. 

Vacinados: não é necessário ausentar-se das atividades presenciais.

Em ambas as situações, é obrigatório o uso de máscara de proteção até o 10º dia do último contato com o caso positivado.

Nas situações em que houver infecção por coronavírus confirmada por laboratório ou por laudo médico em um período inferior a 90 dias, não será necessário o afastamento ou a testagem.

O exame ou laudo comprovando a infecção prévia deve ser enviado ao Ambulatório Escolar.

O contato de risco é caracterizado quando não é compartilhado o mesmo domicílio com o caso positivado, mas houve contato nas seguintes situações:

 

  1. a) por tempo superior a 15 minutos; 
  2. b) em ambiente fechado, pouco ventilado ou sem ventilação natural; 
  3. c) com o distanciamento físico inferior a 1,5 m; 
  4. d) sem o uso de máscara de proteção ou com uso inadequado; 
  5. e) quando o último contato com o positivado aconteceu durante o período de transmissão: entre dois dias antes e dez dias após a data de início dos sintomas.

    - Casos sintomáticos devem ser afastados e testados preferencialmente entre o 2º e o 5º dia de início de sintomas.

- Casos assintomáticos, permanecem vindo na aula até a data da testagem (5º dia do último contato), após a testagem, somente com resultado negativo. Recomenda-se o uso de máscara até completar 10 dias do contato.

Educação Infantil: Caso seja constatado um caso positivo, o monitoramento de sintomas nas demais crianças e educadores será intensificado por 14 dias - nesse período, os pais também deverão monitorar a criança, afastando-a das atividades presenciais em caso de sinais de contágio. Além disso, caso sejam constatados três ou mais casos de contaminação ao longo desse período, o grupo será suspenso da presencialidade por sete dias.

Anos Iniciais, Anos Finais e Ensino Médio: Caso sejam constatados três ou mais casos de contágio por COVID-19, os estudantes da turma deverão realizar a testagem para coronavírus no 5º dia, a partir do último contato com o caso positivo. O resultado do exame deve ser encaminhado ao Ambulatório Escolar. Enquanto aguardam os diagnósticos, poderão permanecer na presencialidade os alunos assintomáticos, mediante a utilização de máscaras de proteção. Os estudantes que obtiverem resultado negativo poderão continuar frequentando as aulas presenciais. Já aqueles diagnosticados com COVID-19, deverão cumprir o período de quarentena. Os alunos que optarem por não realizar o exame deverão permanecer em isolamento domiciliar por 10 dias. 

IMPORTANTE: Nas situações em que houver infecção por coronavírus confirmada por laboratório ou por laudo médico em um período inferior a 90 dias, não será necessário o afastamento ou a testagem. O exame ou laudo comprovando a infecção prévia deve ser enviado ao Ambulatório Escolar.