Farroupilha: tradição no ensino de línguas adicionais

27 de setembro de 2021

As línguas adicionais fazem parte da história do Colégio Farroupilha desde a sua fundação, em 1886, quando todas as aulas eram ministradas somente em alemão. Atualmente, o Colégio Farroupilha insere no seu currículo o aprendizado de alemão, inglês e espanhol, além de oferecer diferentes atividades e oportunidades para que os estudantes se aprimorem em alguma língua estrangeira.

Na Educação Infantil, a Língua Inglesa é ensinada a partir do Nível 3, com a utilização de momentos lúdicos com histórias, músicas, jogos, brincadeiras e oficinas. As crianças dos Níveis 4 e 5 têm vivências diárias com o idioma no Projeto Bilíngue. Do 1º ao 3º ano dos Anos Iniciais, como ocorre na Educação Infantil, as atividades de Língua Inglesa trabalham o desenvolvimento da fala e da audição de forma lúdica. Quando chegam ao 4º ano, os estudantes realizam o primeiro exame de Cambridge.

A Língua Alemã é inserida no currículo a partir do 5º ano. Nos Anos Finais, as turmas são divididas em dois grupos nas aulas de Língua Inglesa, de acordo com os resultados obtidos nos exames de Cambridge, e um dos períodos é dedicado à preparação para os exames. Na disciplina de Língua Alemã, as aulas também são divididas em dois grupos, de acordo com os níveis de proficiência, e são oferecidas aulas de adaptação, no turno oposto ao da aula regular, para aqueles estudantes que entraram na escola e não tiveram contato com o idioma anteriormente. No 8º ano, as turmas prestam o exame de proficiência IVA1 – Internationale schulische Vergleichsarbeit 1 e, a partir do 9º ano, os estudantes já podem frequentar as aulas preparatórias para a proficiência Deutsches Sprachdiplom DSD I – B1, porém a maioria dos estudantes presta esse exame na 2ª série do EM.

Por fim, no Ensino Médio, os estudantes têm a oportunidade de atingir o nível mais alto de proficiências em Língua Inglesa: o Nível C2, do Quadro Comum Europeu de Referência, nível Certificate of Proficiency in English (CPE), e o Nível Proficiency, de acordo com os exames elaborados pela Universidade de Cambridge. Já na Língua Alemã, os estudantes prestam, na 1ª série, o exame IVA2 – Internationale schulische Vergleichsarbeit 2. A Língua Espanhola começa a ser ensinada no Ensino Médio, e os estudantes são convidados a prestar, na 3ª série, o exame de proficiência Diplomas de Español como Lengua Extranjera – DELE nos níveis A1, A2 ou B1.

Intercâmbio nas férias de inverno

Durante o recesso escolar do mês de julho, os estudantes a partir do 8º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais podem participar do projeto Olhos para o Mundo, que busca o desenvolvimento dos idiomas alemão e inglês com destinos Alemanha e Inglaterra. Os estudantes são matriculados em escolas especializadas em receber estrangeiros que visitam esses países para aprimorar o idioma.

Para os estudantes do Ensino Médio são disponibilizados programas voltados à vida profissional, liderança, sustentabilidade e tecnologia em universidades nos Estados Unidos, Inglaterra e Canadá. Nessa modalidade de Intercâmbio, os estudantes não mais são inseridos em um contexto linguístico apenas como estudantes de Língua Estrangeira, mas para vivenciar a língua em contextos de experimentação profissional, em que o idioma é instrumentalização para o desenvolvimento de outras competências e habilidades.

Matriz Curricular das Línguas Adicionais

As línguas adicionais na escola estruturam-se a partir de seis eixos, conforme o documento “Matrizes Curriculares de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias do Colégio Farroupilha”. São eles: expressão oral, leitura e interpretação de textos, aspectos de linguagem, produção escrita, dimensão estético-simbólica e valores. Tendo como parâmetro o Quadro Comum Europeu de Referência, que determina o que cada pessoa é capaz de realizar em cada etapa de seu aprendizado, o colégio baseia-se na organização dos grupos de acordo com a faixa etária e o número de exposição formal à língua, destacando o que os estudantes conseguiram realizar ao longo do processo de ensino, e, ao final de cada etapa, eles recebem uma classificação relacionada aos diferentes níveis de proficiência linguística. No caso da Língua Inglesa, por exemplo, esses níveis são determinados a partir dos resultados prévios dos exames de proficiência de Cambridge, realizados anualmente com os estudantes do 4º ano do Ensino Fundamental – Anos Iniciais à 3ª série do Ensino Médio.

Experiência fora do Brasil

Para muitos ex-alunos, aprender um idioma ainda na escola é uma possibilidade para estudar fora do país. Aos que desejam cursar em universidades nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Holanda e Austrália, por exemplo, é preciso passar por um processo composto por várias etapas.

Além das provas como o SAT (Scholastic Aptitude Test ou Scholastic Assessment Test), um dos testes utilizados para ingresso em universidades dos EUA, equivalente ao Enem no Brasil, as provas de proficiências em inglês e o histórico escolar do estudante, as universidades pedem cartas de recomendação, feitas por professores e coordenadores, redações, para que o aluno mostre um pouco da sua personalidade, e as atividades extracurriculares desenvolvidas durante a escola. Dependendo do local, será necessário, ainda, realizar entrevistas e enviar outros documentos.

Bernardo Eilert Trevisan, formado em 2017, foi aprovado em 12 universidades, sendo dez norte-americanas. Em 2018, ele passou o primeiro semestre em Porto Alegre, cursando Ciência da Computação na UFRGS, para se preparar para a Yale University, no estado de Connecticut.  Bernardo foi um dos seis brasileiros e o único gaúcho aprovado na Yale, universidade membro da Ivy League com mais de 300 anos e que tem, entre seus ex-alunos notáveis, os ex-presidentes dos EUA William Howard Taft, Gerald Ford, George H. W. Bush, Bill Clinton e George W. Bush.

“O Farroupilha me preparou extremamente bem na questão do inglês para as minhas aventuras aqui no exterior, tanto para os estudos, quanto para as questões de trabalho e estágio. Eu já fiz dois estágios durante as férias da faculdade, no Google. O apoio do Colégio me permitiu chegar aqui no campus da universidade me sentindo confortável para expressar as minhas opiniões e meus sentimentos. Fico muito feliz com o apoio que tive do Farroupilha em relação às línguas estrangeiras e de uma maneira geral”.

 

Carolina Santos Carneiro, formada em 2011, é professora de Alemão em Berlim, na Alemanha, e estuda Germanística na Universidade Humboldt de Berlim. Ela foi aluna do Colégio durante dez anos, do 2º ano do Ensino Fundamental – Anos Iniciais à 3ª série do Ensino Médio. O ensino de alemão do Farroupilha foi fundamental para a carreira dela.

“Eu tenho muito a agradecer ao time maravilhoso de professores de Alemão, que me estimulou muito a partir da participação de concursos de leitura, a fazer viagens, e do quanto torceram por mim ao longo dessa trajetória do alemão, do básico ao avançado. É possível, mesmo sem vir de uma família alemã, ter um envolvimento bem profundo com a língua”.

 

 

A língua alemã aprendida no Farroupilha também fez a diferença na vida da ex-aluna Laura Bragante Corssac, formanda de 2015. Estudante de Ciência da Computação da UFRGS, em 2020 ela fez um intercâmbio de estudos na Universidade de Stuttgart, na Alemanha, para cursar disciplinas da área da graduação e de alemão. Ainda no Colégio, Laura teve a oportunidade de realizar o intercâmbio para Freiburg, no 8º ano.

“Sempre gostei muito de aprender alemão, e esse interesse começou no 4º ano, no Farroupilha. Foi muito legal no ano passado ter revisitado a cidade, oito anos depois, em um momento completamente diferente. Apesar de o meu intercâmbio não ter o alemão como pré-requisito, eu acho que esse conhecimento que venho adquirindo desde o 4º ano me possibilitou a me sentir mais conectada com a cultura, a entender ela melhor, e tornar aquele outro lugar a minha casa por um ano”.

 

Bibiana Loureiro formou-se em 2009 no Colégio e cursou Direito na PUCRS. Durante a faculdade a ex-aluna também teve a oportunidade de morar um período em Madrid. Para viajar, ela começou a produzir brownies e, hoje, ela é a proprietária da Consuela’s Brownies.

Graças ao espanhol que eu tive durante o Colégio, consegui me virar por lá. O espanhol, com certeza, me abriu muitas portas. Eu vendia os brownies no Parque do Retiro. Se não fossem as aulas da professora Margarita, não sei o que teria sido de mim”.

 

Quando estava no Ensino Médio, Rodrigo Führ Oliveira, formando de 2009, optou pela disciplina de Língua Espanhola, mas contou que todas as aulas de idiomas foram importantes em sua trajetória. Formado em Direito pela UFRGS, hoje ele mora em São Paulo, onde atua na área. Ter aprendido espanhol no Farroupilha possibilitou que ele passasse em uma seleção de uma bolsa de estudos do Banco Santander espanhol para estudar durante um semestre algumas disciplinas da faculdade de Direito na Universidade Autônoma de Madrid.

“Depois de concluir o semestre, fiquei mais seis meses conhecendo novas culturas e amizades para a vida inteira. Aproveitem muito as oportunidades do Colégio, estudem bastante, porque realmente vale a pena, e sei que a minha vida não seria a mesma sem isso”.