20 de outubro de 2020

Por que é difícil ver estrelas nas grandes cidades?

Essa dificuldade ocorre por causa da poluição luminosa, ou seja, o excesso de iluminação artificial presente nas áreas urbanas, e da sua má utilização – afinal, as lâmpadas não precisariam iluminar o céu, né? Poderiam estar direcionadas para o solo.

A luminosidade das lâmpadas das cidades é refletida pela umidade e por partículas dispersas no ar, o que dificulta o processo de dilatação da pupila dos nossos olhos. Assim, só conseguimos enxergar no céu poucas estrelas de maior brilho.

Em algumas cidades, a poluição luminosa atinge índices tão grandes que só é possível observar estrelas quando já estão altas no céu. Em Porto Alegre, por exemplo, abaixo de 30 graus de elevação, praticamente não se enxerga estrelas. Já nas áreas rurais, sem a presença de iluminação pública, a nossa pupila consegue dilatar ao máximo, o que permite que enxerguemos muito mais estrelas.

Essa falta de conhecimento causa, além da perda de qualidade na observação dos astros celestes, um desperdício de energia elétrica para iluminar o céu –  e não é necessário. Assim, para minimizar os efeitos da poluição luminosa, é preciso assegurar, nos critérios de fabricação e instalação de luminárias externas, que o facho de luz dirija-se unicamente para o solo. Para as luminárias já existentes, pode-se acoplar uma cinta metálica que projete a iluminação para o solo.

Contribuiu para a postagem o professor Gentil Bruscato, responsável pelo Laboratório de Física e pelo Clube de Astronomia do Colégio Farroupilha.