Psicólogo reflete sobre cotidiano e sentimentos da família na quarentena

7 de maio de 2020

No ano em que completa dez anos de existência no Colégio Farroupilha, o programa Cuidar é Básico teve a sua primeira edição on-line na noite de quinta-feira, 07 de maio, no canal oficial da escola no YouTube, em função da pandemia do coronavírus. O convidado foi Tiago Tamborini psicólogo especializado em comportamento de crianças e adolescentes e autor do livro “Como educar no século XXI? O guia antipânico para pais e mães”, que falou sobre o tema “Crianças e adolescentes na quarentena: reflexões sobre o cotidiano da família e os nossos sentimentos”. Após uma fala de abertura da diretora pedagógica, Marícia Ferri, o encontro foi mediado por Luciana Motta, psicóloga educacional dos Anos Iniciais, e Greicy Boness de Araújo, psicóloga educacional dos Anos Finais.

Tiago iniciou a palestra fazendo uma reflexão sobre um aprendizado que teve quando ainda estava na faculdade. “Um palestrante muito hábil disse que na faculdade aprendemos o que é certo, mas no mercado de trabalho, na vida real, existe o que dá certo. E nem sempre são a mesma coisa. Em momentos de crise como este que estamos vivendo, devemos considerar o que dá certo. As crianças e os adolescentes estão em casa, os pais precisam cuidar dos afazeres domésticos e estão vivendo o home office, ou seja, todos estamos vivendo realidades específicas, mas difíceis, e vamos ter que adaptar o que é certo para o que dá certo”, ressaltou.

Ao falar sobre convivência e conflitos, o psicólogo alertou que o conflito é uma condição da convivência e que ele pode gerar mudanças. “Se estamos convivendo mais, teremos mais conflitos. E se nós entendermos dessa forma, nós não evitaremos todos os conflitos, mas faremos deles aprendizados: podemos ver caminhos para que eles não aconteçam mais ou entender o movimento do outro”, afirma. Além disso, a convivência traz descobertas. “Os pais estão conhecendo como é o filho ‘estudante’, estão vendo a dinâmica do filho na escola. Até então, os pais conheciam os filhos estudando em casa, fazendo um trabalho, etc. Muitos pais estão se angustiando com uma dinâmica que não era para eles conhecerem. Mas a boa notícia é que muitas dessas descobertas sempre foram assim”, destacou.

O momento de isolamento social permitirá que os pais ajudem as crianças e os adolescentes no desenvolvimento da autonomia, observou o especialista. “Essa é uma grande chance. Uma criança ou um adolescente, agora, precisa ter mais disciplina, organização e planejamento para as aulas on-line darem certo. É óbvio que os pais precisam acompanhar e estarem atentos, mas é preciso ajudá-los a desenvolver a autonomia, o momento é esse”. O ócio dos filhos também deve ser aceito pelas famílias, pois faz parte da vida e pode trazer benefícios. “Nos últimos anos colocamos tantas atividades para os nossos filhos que eles não convivem mais com o tédio. Mas ele pode ser construtivo; ele traz reflexão, revisão e descanso. Tudo bem não fazer nada. A vida está nos dizendo: ‘Calma. Conviva em família, troque, fique ao lado do outro sem fazer nada. Isso faz parte do desenvolvimento saudável do ser humano: cognitivo e emocional”, aconselha.

Sobre o momento dos estudos domiciliares, Tiago chamou a atenção que os pais não precisam assumir o papel dos professores, e sim, devem se tornar “egos auxiliares”, ou seja, as pessoas que estão junto dos filhos para ajudá-los. “O que os professores precisam é que vocês organizem a rotina dos filhos, ajudem a desenvolver uma rotina de estudos, cobrando de vez em quando, olhando se eles estão seguindo as atividades. E, se não estiver dando certo, peçam ajuda para a escola. Vocês vão criar um processo de ego auxiliar em casa, que troca, que dá e recebe feedback da escola e que entende o filho. A escola entrega o que é certo, e vocês fazem o que dá certo. Confiem na escola, no que ela está entregando, é por isso que vocês a contrataram para educar o seu filho. E deem feedback do que vocês estão sentindo, com ideias, sugestões e possibilidades”, finaliza.

Durante a transmissão da palestra, muitos educadores e famílias deram depoimentos positivos sobre a iniciativa. “Agradeço a preocupação e competência da escola, sempre buscando o crescimento de todos. Excelente a palestra. Muito prática e perfeita para o mundo atual”, declarou Ana Cristina de Oliveira Machado, mãe de estudante. “Ótima fala para orientar e tranquilizar nossas dúvidas na condução do processo de ensino-aprendizagem nesse momento singular”, completou o professor do Laboratório de Física, Gentil Bruscato.

A palestra encontra-se disponível, na íntegra, no YouTube do Colégio (clique aqui para acessá-la) ou acima, no início da matéria.